Nosso processo de imigração - Parte I

Hoje completa 1 ano que pisamos no Canadá. 365 dias que essa jornada começou. Eramos nós dois, 6 malas e a Birita; e nossos corações cheio de vontade de conhecer o novo, enfrentar os desafios que tivéssemos pela frente, crescer e dar certo em um novo país. E justamente hoje, recebemos a aprovação do nosso visto de Residente Permanente, não poderíamos ter presente melhor!

Decidimos então contar como foi nosso processo de obtenção do tão sonhado PR Visa. Dividiremos o assunto em alguns posts para não ficar cansativo, sendo esse o primeiro.

Quando começamos a pesquisar sobre o Canada, já sabia-se que em janeiro de 2015 o novo sistema da imigração, Express Entry, entraria em vigor. Naquela data o antigo FSW 2014, que foi o último nesse modelo, ainda estava aberto porém não teríamos tempo hábil para fazer IELTS, validar diplomas e juntar toda a documentação. Pelas incertezas que se tinham sobre o Express Entry (na época ninguém sabia quais seriam as regras,os critérios de eligibilidade, etc), decidimos agilizar e vir através de estudos, como contei em posts anteriores.

Em novembro de 2014 as regras do Express Entry foram divulgadas, e devido às nossas qualificações, nosso entendimento foi de que nos enquadraríamos e teríamos boas chances de sermos chamados caso eu (aplicante principal) conseguisse um “notão” no IELTS, o chamado Canadian Language Benchmark - “CLB” 9 ( 8 no Listening e 7 nas demais habilidades). Então, junto com nossa consultora de imigração Marilene Quintana, bolamos a melhor estratégia, que resultou na timeline abaixo:

Fevereiro/2015: Fizemos o IELTS General Training, e para minha surpresa (ou tristeza) minha nota ficou menor do que o Academic que havia feito meses antes para aplicação do College, não atingindo assim o CLB 9.

Março/2015: Fizemos validação dos nossos diplomas pelo WES. Minha pós graduação no Brasil foi validada, e isso nos garantiu mais pontos no quesito educação.

Março/2015: Mesmo não tendo a nota “ideal”do IELTS, decidimos aplicar para o EE. Realizamos nosso cadastro semanas antes de embarcarmos para o Canada. Na época, nossa pontuação era 357. Já sabíamos que se eu fizesse o IELTS e conseguisse o CLB 9, nossa pontuação subiria muito, então esse era o foco para nos tornarmos mais competitivos no EE.

Abril/2015: Embarcamos e chegamos no Canadá

Maio/2015: Comecei o college, e eventualmente dava uma estudada para o IELTS

31/julho/2015: Refiz o IELTS, aqui no Canadá, após alguns meses de bastante dedicação nos estudos seguindo a dica da Teacher Thais Nogueira

Agosto/2015: Saiu a nota do IELTS! Além de conseguir overall CLB 9, consegui CLB 10 em 2 das habilidades

Final de Agosto/2015: Atualizamos nosso perfil do EE, agora com 453 pontos!

18 de Setembro/2015: Recebemos o ITA (Invitation do Apply). A nota de corte dessa chamada foi 450 pontos e como tínhamos 453, fomos chamados!

21 de Outubro/2015 – Enviamos nossa aplicação completa

5 de abril/2016: Recebemos o e-mail com solicitação dos passaportes! Processo aprovado e pronto para o envio do visto de Residente Permanente.

O que eu gostaria de deixar claro aqui: a nossa vinda através do College foi apenas uma forma de antecipar nossa chegada ao Canadá e também de abrir maiores possibilidades em relação a imigração. Nossa aplicação do EE não contou nenhum ponto extra por estarmos no Canadá, não tínhamos LMIA e nem nomeação provincial. Se estivéssemos no Brasil e eu conseguisse a nota do IELTS, me tornaria igualmente elegível. Claro que o fato de eu ter estudado por alguns meses aqui fez o inglês melhorar naturalmente, me ajudando na prova.

No próximo post detalharei nossa pontuação, comparando antes e depois do IELTS, para vocês verem como essa provinha de inglês é extremamente importante!

Quais outras dúvidas vocês tem sobre o nosso processo?

Deixem nos comentários que incluiremos nos próximos posts!